sexta-feira, 26 de março de 2010

NO CONTEXTO DO FIM - Parte 3

A MISSÃO EM MEIO À OPOSIÇÃO DOS HOMENS E DA FAMÍLIA
Marcos 13.9-13





9Estai vós de sobreaviso, porque vos entregarão aos tribunais e às sinagogas; sereis açoitados, e vos farão comparecer à presença de governadores e reis, por minha causa, para lhes servir de testemunho. 10Mas, é necessário, primeiro, que o evangelho seja pregado a todas as nações.
11Quando, pois, vos levarem e vos entregarem, não vos preocupeis com o que haveis de dizer, mas o que vos for concedido naquela hora, isso falai; porque não sois vós os que falais, mas o Espírito Santo.

12Um irmão entregará à morte outro irmão, e o pai, ao filho; filhos haverá que se levantarão contra os progenitores e os matarão. 13Sereis odiados por todos por causa do meu nome; aquele, porém, que perseverar até o fim, será salvo.

Nestes versículos, Jesus fala sobre a perseguição que seus discípulos enfrentariam. Isso ocorreria tanto por parte dos judeus em suas sinagogas, como diante de governadores e reinos gentios de sua época (v. 9). Em lugar de se acanharem, os seguidores do Mestre deveriam aproveitar esta oportunidade “como testemunho a eles” (v. 9; cf. 21.13). Por isso, Marcos insere este dito de Jesus no texto: “é necessário que primeiro o evangelho seja pregado a todas as nações” (v. 10). Há um progresso no evangelho de Marcos em que as boas novas do Reino são expandidas, em sua prioridade, da nação de Israel (1.15; 7.27) para todos os gentios.

A oposição intensa que poderia gerar medo nos discípulos é substituída pela coragem e sabedoria em anunciar o evangelho. Eles não fariam isso por sua própria coragem, mas, pela capacitação dado pelo Espírito Santo que os guiaria quanto ao que dizer (v. 11; cf. At 1.8). A oposição não paralisa os discípulos, pois estes vêem as situações adversas como oportunidade para proclamarem o evangelho. Nossa missão não é cercada de sucessos, mas de lutas constantes.
Atanásio, o pastor da igreja de Alexandria, lutou durante muito tempo pelo correto e bíblico entendimento da divindade de Jesus, como um atributo necessário para a nossa salvação. Durante a sua vida, ele foi exilado várias vezes e quase o mundo ao seu redor negou a plena divindade de Cristo. Mas ele batalhou pela verdade, e sua crença de que Jesus é Deus foi mantida pelo cristianismo como um todo. Por permanecer firme e defender pureza das boas novas, mesmo diante das mais intensas oposições, ele era chamado de “Atanásio contra o mundo”. Nós, também, estamos contra o mundo e, ao mesmo tempo, a favor do mundo. Negamos aceitar o sistema de rebeldia que impera sobre as pessoas, ao nosso redor. Por outro lado, proclamamos a elas as notícias belas da salvação somente em Jesus.
Tal oposição não será somente no aspecto macro. Não apenas reis e governantes nos perseguirão, mas, muito mais profundo, pessoas de nossa família se oporão de forma intensa ao evangelho que abraçamos. Irmão contra irmão, pai contra filho e filhos contra pais. Esta oposição, também, não deve nos calar, mas podemos ser testemunhas vivas do Mestre a quem servimos e adoramos.
A esperança raia no verso 13. Aquele que perseverar até o fim, dizer não às facilidades e propostas deste mundo, por amor a Jesus, será salvo do caos moral presente no universo em que vivemos. Nossa expectativa é de salvação e do Reino Glorioso de nosso salvador (cf. vv. 26-27).
Como seguidores de Jesus, precisamos estar cientes de que “todos quantos quiserem viver piedosamente hão de ser perseguidos” (2 Tm 3.12). Jesus não nos prometeu uma vida com “lentes cor de rosa”. Quando olhamos para o livro de Atos, percebemos a igreja sofrendo oposição de todos os lados. As autoridades ficam alarmadas e perseguem a primeira igreja de Atos, proibindo os apóstolos de falarem de Jesus. Mas, foram nesses momentos que os apóstolos aproveitaram para testemunhar que não há salvação em nenhum outro além de Jesus (At 4.11-12) e importa obedecer a Deus do que aos homens (At 5.29-32).
Como você reage diante de perseguições? Você cede às pressões dos colegas no trabalho?   Você segue a rota mais fácil para não precisar enfrentar a oposição? Quando seus familiares ou amigos propõem algo contrário à mensagem do evangelho, você está disposto a seguir a Jesus, mesmo que alguns fechem a cara para você e outros riam de você pela sua devoção a Deus? Você se identifica com Jesus em todos os momentos de sua vida? O que tem mais valor para você a glória deste mundo ou a gloriosa esperança do reino de Cristo?
Precisamos avaliar nossa prática missionária: temos sido ativos na nossa proclamação do evangelho? De que forma temos apoiado a sua expansão por todas as nações? Diante da oposição você se enche de auto-comiseração ou mantém a esperança viva do evangelho e compartilha as boas novas no pouco tempo que lhe resta? Nós fazemos missões mesmo em meio as mais intensas oposições.

Um comentário:

Anderson disse...

Pastor, gostei muito do seu blog , pena que ainda não sei utilizar esse recurso, sou seu aluno no Teológico de Guarulhos, estou aguardando seu e-mail.

Anderson

andersonpedersolli@hotmail.com

Marcadores